Dhammapada / Capítulo 7 / O Arahant


Verso 90
No final da jornada,
Livre de sofrimentos,
Que se libertou de todas as maneiras,
E rompeu todos os laços,
A febre não existe.

Verso 91
O homem sensato se adapta
E não permanece nunca num só lugar.
Como os cisnes que voam do lago,
Abandona morada após morada.

Verso 92
Como o caminho dos pássaros no céu,
É difícil rastrear a senda
Daqueles que não acumulam riquezas,
São judiciosos com o alimento
E cuja esfera
É a liberdade do vazio e do indetectável.

Verso 93
Como o caminho dos pássaros no céu,
É difícil rastrear a senda
Daqueles que eliminaram suas toxinas,
Não se apegam ao alimento
E cuja esfera
É a liberdade do vazio e do indetectável.

Verso 94
Até os deuses prezam
Aqueles que eliminaram as toxinas,
Despojaram-se da vaidade,
Acalmaram os sentidos,
Como cavalos bem seguros pelo cocheiro.

Verso 95
A pessoa
Que, como a terra, não se perturba,
Que se esmerou na prática,
Que parece um pilar de Indra,
Que é como um lago sem lama,
Não precisa mais vaguear.

Verso 96
Serena na mente, na fala e na ação,
Libera graças ao correto entendimento,
Essa pessoa
Está completamente em paz.

Verso 97
Aquele que foi além
Da fé,
Conhece o Incriado,
Rompeu os laços,
Eliminou a possibilidade (do renascimento)
E renunciou ao apego,
Esse é grande.

Verso 98
Na aldeia, na floresta,
Na planície e na montanha;
Agradável é o lugar
Onde está o Arahant.

Verso 99
Agradáveis são as florestas
Que as pessoas não apreciam.
Ali se deleita o homem livre de paixões,
Que não busca os prazeres sensuais.

Voltar ao Dhammapada

Nenhum comentário:

Postar um comentário